Can Can do Ciúme


A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas sentadas

Ó minhas senhoras, por favor, poupem-me aos vossos ciúmes ou ao vosso desejo de me controlar.
Lá porque eu apareço a gostar de publicações do(s) homem(ns) que querem apanhar eu só estou a gostar mesmo da publicação dele(s).
Qualquer homem de quem eu queira algo mais do que aquilo que aqui publica, sabe-o. E não é de certeza pelos laiques que aqui lhe faça que saberá isso.
Por favor, não me peçam amizade só para ver o que eu faço e se o vosso Príncipe desejado coloca ou não laiques no meu mural.
Considerando eu os ciúmes algo extremamente primitivo e de que não gasto desde os meus 14 anos é algo que obviamente não vou querer aprofundar nos outros.
Allons enfants de la Patrie!

Pénis e vaginas



Durante a semana nem liguei à questão de designar a vagina como «buraco da frente» pela enorme estupidez que me pareceu discutir o que é evidente. Se chamamos mão à mão, pé ao pé, tendo até modalidades desportivas dessas partes do corpo como o andebol e o futebol, assim como à perna apelidamos perna e à cabeça, cabeça, só podemos denominar vagina e pénis e testículos e mamas.
Usar eufemismos é como continuar a velha máxima do «vícios privados, públicas virtudes». Como se a mão pudesse ser falada em pública mas não as mamas que alimentam os bebés, esses seres humanos pequeninos que todos louvamos publicamente.
Mais curioso ainda é perceber que se existem inúmeros termos de calão para designar os órgãos sexuais humanos, logo para os esconder e não os considerar naturais, existem também milhentas formas de gíria para designar a pessoa amada, de que são exemplo «o meu gajo» ou «a minha patroa». Será que gostar de alguém é um vício privado?...


Eis o homem... (poema de Cláudia R. Sampaio)



Tragam-me um homem que me levante com
os olhos
que em mim deposite o fim da tragédia
com a graça de um balão acabado de encher
tragam-me um homem que venha em baldes,
solto e líquido para se misturar em mim
com a fé nupcial de rapaz prometido a despir-se
leve, leve, um principiante de pássaro
tragam-me um homem que me ame em círculos
que me ame em medos, que me ame em risos
que me ame em autocarros de roda no precipício
e me devolva as olheiras em gratidão de
estarmos vivos
um homem homem, um homem criança
um homem mulher
um homem florido de noites nos cabelos
um homem aquático em lume e inteiro
um homem casa, um homem inverno
um homem com boca de crepúsculo inclinado
de coração prefácio à espera de ser escrito
tragam-me um homem que me queira em mim
que eu erga em hemisférios e espalhe e cante
um homem mundo onde me possa perder
e que dedo a dedo me tire as farpas dos olhos
atirando-me à ilusão de sermos duas
novíssimas nuvens em pé.


Cláudia R. Sampaio, Ver no Escuro  (Tinta da China)

Can't Take My Eyes off You

Stevia afrodisíaca




Creio que a stevia é afrodisíaca embora ainda não tenha compilado todos os dados para uma conclusão clara. Reparem que até usei o verbo compilar que já por si é significativo sabendo eu que se tivesse nascido homem jogava na outra equipa, tal a fascinação que tenho por pilas.

Ao certo, comprei rebuçados adoçados com stevia que apresentam uma coloração azul tal como aquele comprimido que produz erecções do pénis. Não sei se o meu clítoris se sentiu influenciado, se ficou sugestionado, o que terá sido mas desde aí está todos os dias desperto e aprumado. Creio também que comunica com os mamilos que se não fossem os sutiãs de copas reforçadas toda a gente julgaria que eu trazia duas estátuas do Cutileiro espetadas entre o pescoço e o umbigo.

O que me vale é poder desfazer equívocos logo de manhã graças a um kit de sobrevivência no deserto que uma amiga minha me fez o favor de oferecer e que inclui um pinchavelho a pilhas tão lindo, não azul, mas violeta da cor do Prince.