Negras da praxe



A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e meias

Assustam-me os bandos de raparigas de negro que nos últimos dias enxameiam Lisboa. Só me trazem à ideia os rituais ciganos da viuvez ou daquelas avozinhas já muito velhinhas de uma qualquer aldeia perdida na Beiras que perderam o marido há 400 anos, todas de semblante carregado.

Assustam-me e não é por se vestirem de negro que também o fiz nos anos 80 mas por se vestirem de igual, incluindo aquele instrumento de tortura que apelidam de gravata, ao ponto de usarem uns horríveis sapatos sem nada que os distinga a não ser o mau gosto. E aquelas meias de mousse ou de lycra apesar do calor que está apenas porque faz parte da farda.

Como se entrar na Universidade não fosse para usar a cabeça mas para seguir ordens, tal e qual como se pede aos instruendos militares, como se não fosse para produzir conteúdos mas apenas para projectar uma imagem austera de integração no Sagrado Mistério das Escravas de Qualquer Poder Instituído.

Can Can do Ciúme


A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas sentadas

Ó minhas senhoras, por favor, poupem-me aos vossos ciúmes ou ao vosso desejo de me controlar.
Lá porque eu apareço a gostar de publicações do(s) homem(ns) que querem apanhar eu só estou a gostar mesmo da publicação dele(s).
Qualquer homem de quem eu queira algo mais do que aquilo que aqui publica, sabe-o. E não é de certeza pelos laiques que aqui lhe faça que saberá isso.
Por favor, não me peçam amizade só para ver o que eu faço e se o vosso Príncipe desejado coloca ou não laiques no meu mural.
Considerando eu os ciúmes algo extremamente primitivo e de que não gasto desde os meus 14 anos é algo que obviamente não vou querer aprofundar nos outros.
Allons enfants de la Patrie!

Pénis e vaginas



Durante a semana nem liguei à questão de designar a vagina como «buraco da frente» pela enorme estupidez que me pareceu discutir o que é evidente. Se chamamos mão à mão, pé ao pé, tendo até modalidades desportivas dessas partes do corpo como o andebol e o futebol, assim como à perna apelidamos perna e à cabeça, cabeça, só podemos denominar vagina e pénis e testículos e mamas.
Usar eufemismos é como continuar a velha máxima do «vícios privados, públicas virtudes». Como se a mão pudesse ser falada em pública mas não as mamas que alimentam os bebés, esses seres humanos pequeninos que todos louvamos publicamente.
Mais curioso ainda é perceber que se existem inúmeros termos de calão para designar os órgãos sexuais humanos, logo para os esconder e não os considerar naturais, existem também milhentas formas de gíria para designar a pessoa amada, de que são exemplo «o meu gajo» ou «a minha patroa». Será que gostar de alguém é um vício privado?...


Eis o homem... (poema de Cláudia R. Sampaio)



Tragam-me um homem que me levante com
os olhos
que em mim deposite o fim da tragédia
com a graça de um balão acabado de encher
tragam-me um homem que venha em baldes,
solto e líquido para se misturar em mim
com a fé nupcial de rapaz prometido a despir-se
leve, leve, um principiante de pássaro
tragam-me um homem que me ame em círculos
que me ame em medos, que me ame em risos
que me ame em autocarros de roda no precipício
e me devolva as olheiras em gratidão de
estarmos vivos
um homem homem, um homem criança
um homem mulher
um homem florido de noites nos cabelos
um homem aquático em lume e inteiro
um homem casa, um homem inverno
um homem com boca de crepúsculo inclinado
de coração prefácio à espera de ser escrito
tragam-me um homem que me queira em mim
que eu erga em hemisférios e espalhe e cante
um homem mundo onde me possa perder
e que dedo a dedo me tire as farpas dos olhos
atirando-me à ilusão de sermos duas
novíssimas nuvens em pé.


Cláudia R. Sampaio, Ver no Escuro  (Tinta da China)

Can't Take My Eyes off You