O Fotógrafo (2004-05-19)

Olhe Senhor Doutor, conhecemo-nos na net, num site de fotografia. Conversa puxa conversa, email para cá, email para lá e foi inevitável acabarmos a analisar a profundidade de campo das nossas camas. Aliás, em termos sexuais tudo corria bem e até o sabor da sua língua a vinho, ou uísque, ou cerveja era um fotograma que me excitava. Era mais comum encontrar cerveja no frigorífico que um bife.

Era comum ficarmos deitados na cama com o Sexy Hot’s a encher o televisor toda a noite para dar ao negativo a quantidade certa de luz. Nos dias em que ele estava muito cansado eu aplicava o polarizador de o deitar e absorvia-o todo na solene volúpia de beber a emulsão após o que ele me brindava com a sua língua transformada em papel fotográfico de pin-hole, ou então, digamos que, com tecnologia digital.

O lado Kodachrome da nossa relação também se espelhava no facto de espreitarmos os nossos vizinhos a uma distância focal segura. Usámos o filtro colorido da sua irmã para criarmos uma perspectiva mais ampla que a monotonia do enrolanço a dois. Nas bombas de gasolina, enquanto eu enchia o depósito ou calibrava os pneus, ele procurava aberturas de diafragama correctas para saias primaveris.

A bodega foi que o meu código DX não me permitiu ler os seus gostos por bondage e na sua primeira tentiva de me atar com corda natural levantei o joelho à altura dos seus ossos íliacos e danifiquei-lhe temporariamente o fotómetro.

0 comentários: