E dura...

Ai Senhor Doutor, foi tão espectacular que ainda não estou em mim. Sentadinhos na cama às primeiras badaladas da meia-noite, despimo-nos botão a botão, peça a peça, tudo muito entremeado de beijinhos, mordiscos e um deslizar de dedos por tudo quanto era pele, como numa harpa.

Encostei-o à cabeceira e com a minha língua feita pincel deslizei por ele da orelha esquerda até ao testículo direito enquanto os dedos dele me modelavam as nádegas, os seios e os cabelos desalinhados. Com uma mão na roda e outra na peça, torneei-a lentamente como se faz a uma barrinha de chocolate. Com a vantagem de que esta não dimínua, Senhor Doutor! As suas mãos ergueram-me a cabeça e ao levantar-me,arrastaram-me as pernas para a sua boca que me aspirava incessantemente. Tombei literalmente de joelhos sobre a jóia da coroa e apertei-a o mais que pude até a sentir toda bem no fundo de mim.

Depois Senhor Doutor, como deuses do Olimpo foram horas e horas em que ele mergulhou no azul da minha piscina, subindo e descendo à tona de água, ora agora é bruços, ora agora é costas, de tal forma Senhor Doutor que só percebi o adiantado da hora quando os primeiros raios de sol começaram a furar pelas persianas e ele deslizou da cama para a cadeira de rodas, para ir fazer chichi.

Sabe Senhor Doutor, eu acho que todos os homens com lesões na espinal medula deviam usar o marketing e lançar o slogan «Deixe a pílula e o diu de lado! Connosco é só prazer prolongado!»

(Ao Nuno Vitorino)

0 comentários: