O beijo



A culpa não, não é da praia
Se o meu corpo se ferir
A culpa é da vontade
Que eu tenho de te sentir
(Humanos/António Variações)

Guardo muitos beijos na memória, sim, Senhor Doutor. São assim como os «mon chéri» que prontamente engulo em caso de carência de açúcar.

Lembro-me do primeiro beijo que dei a um namorado, aos nove anos. Os meus lábios todos esticaditos em pontas, pressionados contra os dele, ainda mais fechados que as pálpebras, na angústia e na incerteza de que alguém visse, talvez anichado dentro das caixas de correio do prédio.

A seguir, tenho a imagem dos beijinhos adolescentes dados no escurinho da discoteca lampejada pela bola de espelhos que já integravam mais uma componentezinha. Porque Senhor Doutor, nessa altura, já beijo que se prezasse acompanhava com um sentido encosto de ancas para as calças masculinas mostrarem que algo crescia nelas.

Depois, são aqueles milhares de beijos lânguidos em que nos afundamos, com a vontade compulsiva de despir o outro e apagar o resto do mundo. Naqueles em que as línguas dançam no céu da boca até fazerem tilt como nos “flippers” e o nosso corpo fica tão elástico que é capaz de espargata , pino, pirueta e outras inúmeras acrobacias.

E lembro-me disto tudo agora Senhor Doutor porque esta que vê aqui à sua frente, depois de todos copos do Tokyo e das horas de conversa corrente e fluída, alucinada que estava nos seus olhos sorridentes e corpo bamboleante, não lhe conseguiu roubar um beijo daqueles com licor de ginja.

0 comentários: