Por outro lado

Fotos © Kevin Thom

Lembro-me Senhor Doutor que o primeiro medo que tive foi que ele deixasse de desejar o meu corpo, de me tocar, já que eu própria me imaginava disforme e horrenda, com uma barrigona monstruosa que o afastaria de mim, ao contrário de todas as histórias que enaltecem as maravilhas da maternidade.

Buliam-me na cabeça as conversas ouvidas sobre aqueles que se amendrontavam com a eventual possibilidade de magoar o feto, não fosse a redoma de músculos e líquidos quebrar ou quiçá, o membro eréctil tocar, por artes mágicas, qualquer pedacinho da futura criancinha. Ou os casos de outros que amuavam por se sentirem trocados e que me perdoe o Pessoa, já não serem o menino de sua mãe.

Em razões de sobrevivência mais básica, inquietava-me também a posição de dormir já que nunca antes conseguira adormecer sem estar de barriga para baixo, espalmada contra o colchão.

E qual não foi o meu espanto ao descobrir no segundo trimestre que tinha de trocar os soutiens por outros, dois números acima e que essa nova conjuntura era um bónus sem recurso a cremes ou silicones que o entusiasmava de orelha a orelha. Por outro lado, tal como me habituei a dormir de lado, essa passou a ser posição do menu dos favoritos, pela envolvência de me sentir completamente abraçada pelos seus braços e pernas, com a vantagem adicional de a ele permitir, nesses tempos, ter nas mãos os seios dos seus sonhos e a mim, facilitar alguns movimentos sem sentir em demasia o peso da pança. Para além das alegrias breves, inauditamente, se multiplicarem. Afinal Senhor Doutor, os primeiros humanos também não se olhavam nos olhos nessas alturas e a espécie sobreviveu, não é?...

Mas o mais divertido, como o ramalhete rubro do Cesário, foi levá-lo para o bloco de partos. Como motivação fundamental disse-lhe que a oxitocina que nos dão naqueles frasquinhos para meter nariz adentro, para potenciar mais contracções e maior rapidez na expulsão do bébé, podia ser naturalmente trocada por caricías nos mamilos.

0 comentários: