Sem recibo


Até que aqueles cabelos compridos a imitar a rebelião dos seus vinte e muitos anos me eram apelativos à vistinha tal como era eficiente a sua profunda respiração boca a boca com dedos massajadores no pescoço. Digo mesmo que os seus olhos alucinados num misto de nirvana e dor quando os meus braços se suspendiam sobre a sua cabeça para ganhar balanço a cavalgar o seu ai-jesus, conscientemente apertado de forma sincopada até à espremidela final, me faziam salivar.

Por isto mesmo, cada vez mais acredito Senhor Doutor que a pele e o corpo costuradas em roupa de sexo são a coisa mais fácil de se lhe partilhar com outros já que quem dá, logo ali também recebe, como duas vacas ou dois porcos que comem da mesma gamela e ninguém se chateia.

E assim, Senhor Doutor, quando a propósito de Melilla ele começou a vomitar do umbigo o medo da invasão dos negros Europa adentro, para serem servidos deste pouco que mal nos chega que não vamos nós passar mal por causa dos outros e perante os meus olhos dardejantes tentou pôr de escudo a religião muçulmana dos ditos indívíduos que até miminiza as mulheres, comecei a sentir-me nauseada com o cheiro de tanta mosca esvoaçante sobre crianças esfomeadas misturado com o odor de branquinhos de neve a aspergirem-se abundantemente de perfume Égoiste da Chanel e mandei-o levar no cú.


(a partir de uma ideia do Charquinho que deu Proximizade)

0 comentários: