Sumo espremido

(em resposta a um desafio da Hipatia)


Naquele pequeno-almoço de final de manhã chuvosa, aconcheguei-me mais na cadeira a debicar as torradas que havia feito enquanto ele deitava as metades de casca de laranja no caixote do lixo.

Pensei que passada aquela fase da paixão assolapada em que me fotografara nua de acordo com as imagens memorizadas na pornografia consumida na adolescência e em que os nossos beijos fumegantes eram dados em não importa que lugar público, até com riscos para a saúde, como no caso das escadas rolantes, tudo amolece como a torrada que tinha na boca.

E então ele reparou no meu olhar suspenso no cinzento como o copo na minha mão e indagou-me porque estava triste, já que me havia dado o sumo de laranja que queria, no esforço repetido dos fim-de-semana e apeteceu-me reiterar o costumeiro por nada que o sossegava mas não sei que adrenalina me subiu do estômago pelo esófago e saiu-me da boca o desejo de querer pão fresco e estaladiço todos os dias.

0 comentários: