Contrato Contraceptivo

Dão-nos a honra de manequim
para dar corda à nossa ausência.
Dão-nos um prémio de ser assim
sem pecado e sem inocência
(Excerto de Queixa das almas jovens censuradas, Natália Correia, in O Nosso Amargo Cancioneiro, Livraria Paisagem, Porto:1973)

Durante a semana, ele largava o emprego na minha hora de adormecer e já eu almoçava quando ele se purificava no duche. Aos fins de semana, caso não precisasse de ir trabalhar como voluntário à força do contrato que podia ser rescindido no final de cada mês, lá conseguíamos destinar tempo para sacudir a pele e despojá-la das tensões e fluídos acumulados e não me pergunte, Senhor Doutor, como nos conhecemos porque, obviamente, tal milagre só foi possível por obra de desemprego.

Ele era apenas um dos muitos e muitas help desk que ganham a vida com um telefone colado à orelha durante todo o santo dia, com horários que entram pela noite dentro e deixam uma réstea de manhã para acordar e tomar banho.

O melhor que lhe podia acontecer no horário de trabalho era a colega da secretária da frente usar calças de cintura descaída que deixassem florescer a cuequinha de fio dental num rabo rotundo e firme para merecer a escapadela do olhar.

As nossas manobras de cama eram executadas em piloto automático de sobe, desce, insiste, insiste e, se restasse algum neurónio, lá se falava de algo mais do que o correr dos dias, ambos cingidos na prisão da paixão que a cadeia do emprego permitia.

Acabámos por dissolver a sociedade que não se compatibilizava e fazia mesmo perigar a postura adolescente de viver sem horas e sem compromissos, ficando eu convencida que na actualidade, o melhor contraceptivo são os contratos a prazo.

0 comentários: