Miolo e côdea - Take I

Nem sei como começou ou se calhar esse miolo ficou submerso, mas para memória futura fica o registo de que nos enrolámos. E o repetimos regularmente, comprimindo as carnes de um contra o outro naquela comunhão de fibras musculares ou adiposas, cabelos e paladares salgados que nos faz acreditar que nos transcendemos.

Reconheço mesmo o seu jeito de me fazer sentir um forno de aldeia onde habilmente centrava o seu pão até ao fundo para uma cozedura proporcional. E o gosto que me dava mordiscar o seu pescoço ou orelhas como vianinhas estaladiças enquanto me segurava os pãezinhos de deus a debicar o cocuruto de coco.

Mas como bem diz a sabedoria popular que não há bem que sempre dure e no final de cada fornada começavam a levedar as perguntas sobre onde tinha ido, o que tinha feito, com quem tinha falado, com a pitadinha escarninha sobre a amizade profunda dos meus colegas de trabalho, sobretudo os masculinos, salpicado ainda com a oratória da mediocridade das mulheres que ao longo da vida conheceram mais que um homem e creia-me, Senhor Doutor que só se estivesse profundamente charrada seria possível não notar a cratera que nesses momentos se abria entre o meu nariz e o dele.

Sabe, Senhor Doutor, aquele cacete pronunciado à moda do Porto estava a comprimir-me o oxigénio que me alimenta o sorriso e a lucidez pelo que calmamente, num dia em que senti que ainda gostava de mim contra-argumentei
a constatação de que nunca lhe tinha perguntado quantas vezes por semana ia para a cama com a esposa e findo este leasing, soergui-me da cama e fui para o duche que o ar da rua merece uma pele amaciada e um cheiro frutado nos cabelos.


( Porque no dia 25 de Novembro se celebrou o Dia Internacional contra a Violência de Género, assinalado desde 1981 )

0 comentários: