Miolo e côdea - Take II


Há uns anos atrás passei pelo IRC e foi nesse chat que o conheci, tanto quanto as palavras o permitem. Estranhamente, sabia escrever sem erros ortográficos e passámos a encontrar-nos na mesa do costume, a aviar como pão para a boca o desejo de companhia e de carinho que lhe fervilhava nas teclas ao ponto de rapidamente relatar que dezasseis anos de uma relação não tinham sido bastante para a parceira alguma vez entender a oralidade do sexo como mais do que um fugaz preliminar, sem nunca ter engolido a sua espuma, aquela que deve orgulhar todo o que a possui.

Qualquer conversa sobre essa questão era imediatamente descartada como coisa de somenos e esta era uma memória inconfessável junto dos amigos, cara a cara, não o fossem julgar menos padeiro por isso e eu sempre dava o conforto de cestinho com paninho para se deixarem as côdeas.

Na contínua partilha de tantas migalhas avançou para relatar o bolor da vigilância sobre as contas conjuntas que outra não lhe era permitida e em qualquer telefonema recebido, das constantes homilias nas raras frases que trocavam e quando havia visitas sobre o seu falhanço profissional que depois de despedido por remodelação da empresa apenas se agarrara ao que encontrara sem ambição nenhuma, de ter sido encafuado num beliche do quarto do filho para a dona da casa paga em prestações iguais pelos dois usufruir da cama de casal e o convidar a sair aos fins-de-semana com o rebento adolescente se não queria que suspiros verdadeiramente lascivos lhe incomodassem os ouvidos.

Nem o pai natal nem o totoloto, Senhor Doutor, davam aquele homem a chave para rodar na porta da sua vida e como nunca, senti que não tinha mãos para amassar aquela farinha.

0 comentários: