A importância dos sapatos


Julgo que ele confundiu as minhas fardas de trabalho, as calças de xadrezinho à golfe da moda, justas a recortarem as nádegas em pêra e a abertura generosa das túnicas sob as bandas do casaco a exporem o colo, com o estilo daqueles e daquelas que se empolgam a ostentar na roupa a marca do seu sucesso, a fazer pendant com o modelo do relógio e do carro.

Nem sei, Senhor Doutor, porque se incomodava a convidar-me para debicar dietéticas saladas e me fazer engolir palestras sobre o óptimo ginásio com sauna que frequentava, onde também ia sicrano e beltrano, repisando o mote do perfeito estado dos seus músculos. Quase me apetecia pedir-lhe as análises de sangue para ver a garantia da máquina, mas não seria elegante hostilizar assim o colega e até me divertia o seu olhar concupiscente apontado às nesgas de carne que eu exibia fora das camisolas. Depois, ele engrenava na análise minuciosa do rol de etiquetas desportivas de roupas e acessórios enquanto eu ruminava os vegetais, com um olhar fixo e deste silêncio ele não concluia do meu desinteresse pela matéria.

E assim sendo, quando sugeriu uns momentos mais íntimos,com os olhitos que nem luzes vermelhas de impressora sem papel, servi-lhe o fracasso daquele chavão bonzinho de que ele não era o meu tipo porque, Senhor Doutor, eu nunca gostei mesmo de homens que usam sapatos sem atacadores, como se andassem de pantufas pela vida fora resguardados das intempéries da vida.

0 comentários: