Tira


– Tira – disse ela, beijando-me o pescoço.
– Já tiro – respondi, tentando, desajeitadamente, pôr a mão esquerda dentro das suas cuecas.
Ela abriu-me a camisa, beijando e lambendo devagar cada parte do meu peito que ia ficando descoberto.
Arrepiado, senti as mãos arrefecerem e passei a mão para fora das cuecas, sentindo-lhe as nádegas, esfregando-as, agarrando uma e outra e, rodando a mão, passava-a, esticada, entre as nádegas.
Desabotoada a camisa, ela pôs-me as mãos nos ombros, afastando-a, obrigando-me a despi-la. Enquanto despia a camisa e pensava no modo de aquecer as mãos, ela desapertou-me o cinto, abriu o botão das calças e o fecho.
Deitei-me e pus as mãos debaixo do rabo, para as aquecer, mas também para o levantar quando ela me puxasse as calças. Foi o que fez a seguir.
– Tira – pediu novamente.
– Já tiro – voltei a responder, baixando os boxers quase até aos joelhos.
Ela sorriu, pôs as mãos no colchão e deu um pequeno salto para trás, mantendo-se de joelhos, e, de uma vez, puxou-me calças e boxers que deixou cair aos pés da cama.
Fiquei nu, deitado. Ela debruçou-se na cama sobre mim, agarrou as suas calças que estavam caídas, encostadas à mesa de cabeceira, tirou um elástico vermelho, prendeu-o ao cabelo com desenvoltura em duas voltas e voltou à posição inicial, de joelhos à minha frente, acariciando-me o sexo, que beijava quando, nos seus movimentos pela minha barriga e coxas, a sua boca se encontrava com ele.
Ajeitou-se na cama, empurrou-me o sexo até encostá-lo ao corpo e beijou e lambeu devagar, desde a base até à ponta, repetiu chegando aos testículos e ao períneo, utilizando o líquido seminal, que colhia com cuidado com a ponta da língua e com os lábios, para lhe lubrificar a boca e o meu corpo. Arrepiava-me, fazia-me tremer de desejo e quando, segurando-me no sexo, o beijou e engoliu, movendo a língua, usando os dentes e forçando os lábios, voltou a sussurrar:
– Tira.
– Agora? – perguntei, a custo.
– Sim, tira – repetiu e ajoelhou-se na cama, para me dar espaço para tirar a prótese da perna direita.
– Quero-te tal como és – e, beijando-me onde terminava a perna, acima do joelho, murmurou: – És o meu coxo preferido.
– Perneta – corrigi.
– Perneta. És o meu perneta preferido – disse ela, com uma gargalhada.

Garfanho

0 comentários: