Memória colorida



Sempre que o imagino, pontiagudo, com a dureza necessária para cumprir com a sua função, tenho um desejo crescente de lhe pegar para colorir o meu mundo. Agarrá-lo firmemente e ao impulso da minha mão conduzi-lo a traçar emoções fundas, vincadas, que espelhem as minhas sensações.

E o deleite infantil de me tingir a língua quando restrinjo o meu desejo de o roer, de trincar de mansinho aquele acre sabor. Ou espargir em mim as lascas que dele se desprendem depois de devidamente rodado.

Agrada-me encontrá-lo no estudante, no marceneiro, no arquitecto ou no engenheiro, no sapateiro que resiste no vão de escada, tal e qual como no merceeiro da minha infância.

É que é difícil apagar que Viarco foi o meu primeiro lápis.



(Foto © Malva, 2006)

0 comentários: