Fontanário


Não é que uma vez ou outra não seja engraçado, até mesmo porque há alturas em que qualquer possibilidade é aceitável mas tudo o que é demais enjoa, como é lugar comum dizer-se e aquele beltrano julgava-se um fontanário, como se acreditasse piamente nas propriedades miraculosas das suas águas para a saúde.

Eu referi bastas vezes que não precisava daquelas proteínas adicionais para aumentar a quantidade de calorias no meu organismo e que mesmo que a Science & Vie afiançasse os seus efeitos benéficos na prevenção do cancro, continuava a preferir pasta de dentes fluoretada. Contudo, nada o demovia de manter as suas pretensões xamânicas e repetia sempre o mesmo tratamento, chegando ao ponto de asseverar em oratória de curandeiro que os seus bichinhos de cauda ondulante aliviavam a azia e não mereciam ser desperdiçados em qualquer outro local recôndito.

De forma que perante tais factos apenas me restou puxar dos meus galões profissionais e sugerir que se deveria sujeitar a um controlo de qualidade como qualquer outro posto de abastecimento público. De manhã, ele faria uma colheita para um boião asséptico que eu levaria para analisar e à noite, com base nos resultados, logo se procederia em conformidade.


(imagem gentilmente patrocinada por Ondas3)

0 comentários: