Postal de Bocage


Bocage (1765-1805) nasceu em Setúbal no dia 15 de Setembro e foram-lhe dados os nomes próprios de Manuel Maria, por seu pai José Luís Soares de Barbosa e sua mãe, Mariana Joaquina Xavier Lestof du Bocage.

Para si próprio redigiu um epitáfio no final do Soneto II:
Aqui dorme Bocage, o putanheiro:
passou vida folgada, e milagrosa:
comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro




E em demonstração do espírito impresso nas suas Poesias Eróticas, Burlescas e Satíricas, publicadas mais de 50 anos depois da morte do seu autor, aqui fica o Soneto XVII:

Dizem que o rei cruel do Averno imundo
tem entre as pernas caralhaz lanceta,
para meter do cu na aberta greta
a quem não foder bem cá neste mundo:

Tremei, humanos, deste mal profundo,
deixai essas lições, sabida peta,
foda-se a salvo, coma-se a punheta:
este o prazer da vida mais jocundo:

Se pois guardar devemos castidade,
para que nos deu Deus porras leiteiras,
senão para foder com liberdade?

Fodam-se pois, casadas e solteiras,
e seja isto já; que é curta a idade,
e as horas do prazer voam ligeiras.



(Imagem gentilmente patrocinada pelo World Museum of Erotic Art)

0 comentários: