Arranca-corações


Entrei ordenamente no comboio em minúsculos passinhos arrastados qual bombom no tapete rolante da fábrica até à embalagem final. Acomodei-me num lugar vago e puxei do relaxante diário Outono em Pequim até descortinar por trás das minhas páginas brancas a capa azul com manchas vermelhas d'Espuma dos Dias nas mãos enormes de um Gérard Depardieu mas em bonito.

Talvez fosse a oportunidade para trocar umas impressões sobre a mulher na montra a ser escovada nos seios ou a sensual Cobre de opulentas carnes escuras a contrastar com a cabeleira ruiva que espalhava prazer no deserto dos homens.

O seu sorriso irónico pespegado na minha capa revelava que tinha feito a mesma descoberta dos livros irmãos se atraírem como imãs. E sacou de um bloquinho argolado que provava não ser ele publicitário por não usar Moleskine e vá de rabiscar cinco linhas.

Guardei na memória o rascunho da interrogação se os blogueres ou bloguistas são um quarto sexo que comunica com os espaços em branco e reage apenas às vibrações sentidas quando a sob sua mão sente uma protuberância que obriga a afastar o dedo indicador do médio até ao estertor do publicado.

0 comentários: