Reli caro

David Mourão-Ferreira (1927 -1996), entre muitas coisas que soube ser, foi professor, poeta, secretário de estado da cultura, romancista, director de jornais e senhor de um erotismo que nos envolve e arrasta numa onda, como neste inédito que publicou na Antologia da Poesia Portuguesa Erótica e Satírica:


Re(li)gata

Quando em lugar de feltro é de barro de Outubro
o calor interior das coxas habitadas
Quando a língua é um barco avançando no escuro
de um canal de Corinto entre pardas escarpas
Quando o cheiro do Mar se desdobra em veludo
Quando rompe na boca o mistério das algas
Quando em baixo o teu pé a triturar-me o surdo
perímetro do sexo encontra a madrugada
Quando mais se aproxima a náutica do culto
Quando mais o altar se mostra navegável
Quando mais eu descubro e restauro e misturo
na crista litoral de súbito ampliada
o ritual do grito o ritual do cuspo
e vês que ninguém mais merece esta homenagem


é que enfim te possuo é que enfim te reduzo
a uma luva uma esponja uma deusa uma nave


(Foto © Rui Bento Alves, 2006, O meu Quadro 3D - 2#)

0 comentários: