Panfletário

Battaolo, Blue Moon)


O folheto sugeria que era possível perder peso, em pouco tempo e ao nosso ritmo, acenando eficazmente com as delícias de uma barriga lisa. Desfilaram-me imediatamente as imagens do meu corpo suado naqueles aparelhos modernaços pré-programáveis e tudo e o conforto de ver nascer desse sacrifício um corpo escultural e moldado firmemente em todas as curvas.

E também não era despicienda a visão de um batalhão de gajos naqueles fatinhos de lycra para suar mais e evidenciar os traseiros musculados e o design dos pára-choques fronteiros. Ou nas calças largas de algodão acompanhadas com camisolinhas sem mangas, a deixarem entrever no peito a pilosidade ou a falta dela e a permitirem a avaliação da compleição dos braços, essencial na qualidade das flexões produzidas pelos seus proprietários.

Aliás, o ambiente dos ginásios é um mimetismo de rituais de acasalamento pleno de jogos de olhares que aumentam o nosso egozinho ou o nosso desejo por mais exercícios mas sem aparelhos metálicos.

E rodopiando o panfleto entre os dedos como se fosse uma epiderme descubro que o folheara ao contrário, de trás para a frente e que este ostentava um sinal de proibição com a legenda os homens ficam à porta, tal e qual como os cães no supermercado. Soltei-o das mãos como se queimasse que um lugar que descrimina a entrada em função do sexo só pode ser uma casa de banho e ainda não me acostumei a pagar por essa necessidade.


0 comentários: