Pescadinha de rabo na boca


O nosso sermão de Santo António aos peixes em que fazias saltitar o sabonete entre as minhas virilhas, aconselhando-o nas melhores formas de me penetrar era a orgia da banheira a que não faltava sequer o teu lingueirão na concha das minhas mãos para petiscar ao natural. Sei que me amaste e duvidar disso seria apenas a injustiça de te desvalorizar. Cada momento foi um prato cheio daquilo indizível a que chamamos ser feliz.

Mas como o ditado diz que pela boca morre o peixe foi pelo prenúncio do útero que comecei a morder o anzol do inevitável. Bem que me querias curar com injecções sucessivas da tua vitalidade e eu aceitava-as todas que a química de cada orgasmo contigo era a morfina que varria para canto as dores antes da grande morte.

Se tivesses guelras nada disto aconteceria e não estaria agora a dar-te a mão para te absorver o medo como o papel faz ao peixe frito. O tempo não anda como os caranguejos mas quando assim escreves o que te poderia dizer se estivesse viva é que dás-me o sumo prazer de te retribuir a terapia.

(Foto © Ricardo Silva, 2007, Vai e vem...)

0 comentários: