Macho latino, doc de Portugal

(este post é uma produção conjunta de moi & Patologista)




Por acaso até estamos no Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades e imaginem, Portugal até preside neste momento a União Europeia.

Mas este cantinho à beira-mar plantado cioso das suas tradições de brandos costumes continua a afastar os homens da cozinha, das fraldas e a atribuir a varinha mágica de fadas do lar às mulheres. Isto vem tudo explicadinho num estudo do Instituto de Ciências Sociais que revela que nos casais portugueses apenas 17% dos homens têm o condão de realizar tarefas domésticas e as mulheres aceitam, com toda a tranquilidade, fazer tudo o resto. Divulga também que em conjunto os casais se limitam a fazer 14% das mesmas, como as compras ou outras que não afectem muito a imagem de macho latino que se preserva nesta região demarcada do cabo de Sagres à Galiza. E para os filhos aprenderem desde

(Foto © Patologista, 2007)

pequeninos, a família faz em comunhão 1% das tarefas.

Em homenagem à sexy minoria masculina deste país que não se coíbe de cozinhar com a colher de pau em riste, de dançar no varão do aspirador e até de se molhar a dar banho às criancinhas bem como para aquelas e aqueles que ainda entendem que essas tarefas afectam a virilidade masculina deixo aqui para meditação duas fotos do Patologista e uma frase que ficou na memória: "Olhe que não!...Olhe que não!..."

(Foto © Patologista, 2007)

0 comentários: