Tempera-me

(por desafio do Finurias)


Como no anúncio do Azeite Gallo ele dá-me um sabor saudável à vida. Estamos em Portugal e os seus quarenta e muitos encafuaram-no no rol de desempregados. Não vamos ao cinema nem assinamos o Funtastic. Não assistimos a concertos e desde que nos gamaram o auto-rádio que nem uma musiquinha nos anima as voltas de carro. Não compramos lençóis de seda e ainda não trocámos os sofás já coçados pelo tempo e pelas acrobacias dos nossos corpos quando a programação televisiva por mais que se zapping ou tem legendas ou não vale a ponta de um chavelho e optamos por produzir o nosso próprio filme.

Mas quando ele encosta o seu nariz ao meu pescoço e eu faço o mesmo ao dele fico feita azeitona pronta a ser triturada no seu lagar(*). Aquele cheiro conhecido projecta-me memórias de momentos agradáveis e os efeitos sonoros que a sua língua consegue ao revolver os meus lóbulos das orelhas levam-me as mãos gaiatas a ir directas ao brinquedo com o deslumbramento infantil de quem molda plasticina.

Não acredito no romantismo do amor e uma cabana mas estamos em Portugal e não me elogiando ele as formas por ser cego não é um macho imbecil. Enquanto em vez de me ouvir facilmente me escutar e me contemplar os anseios e manias só lhe digo faz de mim a tua posta de bacalhau e tempera-me.

[Foto © A.Z.]

[NOTA: E hoje comemora-se o Dia Mundial do Braille]

[NOTA (*) : Um grande obrigada ao António Torrado pela correcção]

0 comentários: