Bolachada


Não sei que raio de magnetismo o meu rabo tinha na sua mão que a menos de 30 centímetros era certinho como as uvas que atraía palmada. Só se evitasse o contacto visual dele com os meus quartos traseiros é que desactivava este reflexo condicionado.

Em abono da verdade até que esta atenção desenfreada a uma parte de mim me eriçava cada pelinho sobretudo quando a mãozinha marota resvalava encosta abaixo para fazer dos seus dedos canoístas das zonas húmidas mas a inevitabilidade rotineira parecia castigo como os que o seu paizinho lhe dedicara em miúdo nas orelhas, na cara e no cu. Espantava-me que um homem tão organizado na contabilidade pessoal que semanalmente media o seu atleta esticado para o salto e cuidadosamente anotava que não era querubim mais as vezes em que não tinha tido uma nega que eu bem vi num bloquinho de capa preta descoberto no armário da casa de banho atrás do perfume ainda na caixa por estrear precisasse ainda de testar a sua força nas minhas nádegas cada dia mais avessas a excursões punitivas.

Até que ontem na cozinha quando senti mais uma a ribombar enquanto procurava a lata do esparguete virei-me num repente e dei-lhe um pacote de bolacha maria porque já que não lhe faltava manteiga nas mãos sempre podia ir fazer um bolo de bolacha.


0 comentários: