O desejo de marisco


Não lhe podia dizer que ele era para mim uma tigela de sopa, tanto mais que não há necessidade de aumentar a ninguém a frustração impressa em cada dia que passa pelas condições sociais e económicas. Era desumano confessar-lhe que era o meu caldo verde por na prática usar o seu chouriço para alegrar a sopa embora o deglutisse a sonhar com caldo de marisco.

Ah, aquele lavagante que absorvia o tempo e o espaço de forma que mesmo no meio multidão a sua voz era uma bolha onde todas as pessoas eram bonitas, todas as ideias eram concretizáveis e dava gosto estar viva como se existisse o paraíso na terra. Depois de se trincar a maçã, bem entendido que seria pouco ecológico desperdiçar o prazer do sexo que a natureza nos oferece desde a origem.

Não o podia magoar nem antes nem depois de trocarmos de pernas e de braços em desvario fazendo das nossas peles adesivo para a ferida das restantes amarguras da vida tanto mais que o carinho com que me desenhava a boca a dedo era mais que o simples rebentar das condutas seminais e não lhe disse que a música do meu Falópio se contentava com uma trivial tigela de caldo verde desde que em alguns dias tivesse marisco.


[Imagem original gentilmente enviada por 1 Car(v)alho ]

0 comentários: