O sopro da satisfação


Ele chegou com um embrulho alongado e a palpitação abre, abre, abre de quem não cabia em si de contente. Satisfiz-lhe o desejo e dei de caras com uma embalagem onde dizia fatboy waterproof e ainda antes que o desembrulhasse completamente já ele gabava os 21 centímetros de comprimento da oferta mais os quatro centímetros e meio de diâmetro que doravante não me havia de faltar nadinha.

Certamente se sentia agora realizado com a pila que sempre achara ser seu direito desde as primeiras aguadilhas nocturnas da adolescência e tal e qual um pai que oferece uma PlayStation piscava-me o olho e repetia a interrogação muito afirmativa do bora lá experimentar.

Desmanchei-me às gargalhadas pela semelhança com os de litro das Caldas e perguntei-lhe se não havia maior lá na loja a que ele respondeu prontamente que não pois tivera o cuidado de verificar esse pormenor que era para ele da maior importância.

E antes que sem recuo transformasse a minha betesga no Túnel do Rossio meti o indicador direito à boca e chupei a falangeta sem despegar os olhos dele. Abanei as ancas para a saia de elástico tombar no chão e desandei as cuecas com a mão esquerda para com o indicador previamente molhado massajar o clítoris em círculos e num beijinho demoradamente mimado nos lábios lhe soprar que o pequenino é mais bonitinho.

[Foto © Pedro Palma, 2002, Marta Plantier]

0 comentários: