Homem novo


Sentei-me logo à frente dela no comboio que aquilo não era coisa que se visse todos os dias ali.Tudo roupa de marca. Chapéu e casaco da Burberrys e mala Fulda. A trincar uma maçã verde, madura mas daquelas verdes granny qualquer coisa que as gajas comem porque causa da mania das dietas. Talvez por isso fosse franzina. Bonitinha mas franzininha que devia ter pouca carne por um onde um gajo agarrar. Mas como se costuma dizer que a cavalo dado não se olha o dente deixei-me ali estar a arregalar o olho.

E não é que a gaja, gaja de dinheiro está bom de ver, me dirigiu a palavra. Primeiro a queixar-se dos dentes e depois de enfiada desatou a contar-me onde trabalhava, onde tinha estudado e mais não sei quantas coisas da sua vida que até me deixou embatucado como se fosse eu a trincar a maçã. Chegou ao ponto de me contar que sofria de uns ataques de ansiedade perante o meu ar atento e sossegado mesmo que aspirasse a consolá-la com um bracinho no ombro ou qualquer coisa mais descida na minha anatonomia que embora tenha sentimentos, que os tenho, perante uma gaja só me lembra de as levar para a cama como se isso fosse obrigatório e é uma ideia que não me deixa a cabeça enquanto elas não me saiem da frente.

Era uma moça fina que as suas mãos lisinhas não davam lugar a engano que aquelas nunca tinham lavado sequer uma loiça de pequeno-almoço. Mais a mais que nelas sobressaiam dois anéis espetados embora não tivesse aliança mas sim um relógio dourado no pulso cuja marca não tive tempo de perceber e ali tão desprotegida, enchia-me de vontade de lhe fazer companhia e dar protecção em todos os bons sentidos que a palavra possa ter.

Passados vinte minutos era a minha paragem e como ela não podia visualizar o interior da minha cabeça estendi-lhe a mão de forma cavalheiresca para me despedir perante alguma aflição dela que ainda perguntou se eu não ia até ao fim e eu lamentei a impossibilidade dizendo apenas que era aquela a minha paragem embora a mil à hora estivesse a anotar na minha cabeça qual era aquela carruagem para amanhã apanhar aquele mesmo comboio e já que não era o meu dia de ir buscar os miúdos para os levar para casa poder ir com ela até ao fim.

0 comentários: