Sofisticação

(Ao Joao, cá por umas coisas ;)


Que ninguém lhe dissesse que ela não era o máximo da sofisticação que desde o início deste século que fazia depilação integral, essa metáfora dietética como o arroz para a remoção de todos os pêlos púbicos. E há um ror de anos que aumentava o pecúlio dos industriais de produtos higiénicos que a convenceram a não dispensar os pensinhos diários para evitar os inestéticos selos nas cuecas que sofisticação é uma mulher ter em cada dia, sem escapar um, algo entre a sua vagina e o resto do mundo, mesmo que seja uma carga de trabalhos arranjar forma de os remover quando umas mãos masculinas se aproximam e não há intimidade suficiente para assumir essa maquilhagem.

E é tão sofisticada que agora que está de casamento marcado já correu todas as quintas de copo de água para escolher uma que o sirva a partir do pôr do sol e com fogo de artíficio final como sinal de partida para os noivos rumarem à queca socialmente autorizada e obrigatória. Depois só fica a faltar encontrar nas redondezas uma igreja para o casório não porque seja católica que nem nunca foi à catequese mas porque fica uma cerimónia muito mais bonita e com outro sainete.

Já escolheu o seu vestido refinado com cauda mais um enorme véu e a imprescindível liga e tudo o que uma noiva tem direito mas previdentemente escondeu-o dos olhares do seu noivo e assim continuará até ao dia aprazado. É branco.






[Foto © Rogério Siqueira, 2007, Noiva contra luz]

0 comentários: