Visão







Ai amiga que as coisas vão de vento em popa e ainda nem tinha dado tempo de te dar as novidades que gasto muito tempo com ele. Nem só por isso que esse teu sorriso malandreco aí espetado na cara adivinha mas porque conversamos muito sem o constrangimento de quem se conhece há pouco e não sabe o que há-de dizer, nem com os silêncios de quem se conhece há tanto que embalamos na preguiça de nada de novo haver para falar.

O melhor da festa é que ele nem vê jogos de futebol e assim sendo nem actualiza o humor de acordo com os resultados da jornada e se bem que se dedica aos emails com longas piadas picantes não é menino para se perder pelas imagens de gajas nuas e mepegues de truca-truca. Até já fixou que a minha cor favorita é o roxo e preparou-me o copinho de leite gelado do pequeno-almoço. E no resto é tudo muito táctil como se cada poro fosse importante para a leitura do desejo e eu um cd que ele guarda todo na memória antes de reproduzir. Aliás, costumamos circular atrelados pela casa e quando os meus faróis ou a sua sineta dão sinal fazemos uma paragem para descarga dos soldadinhos.

Acredita que quando ouço o som de dobrar da sua bengala à saída do elevador antes de meter a chave à porta sinto por mim acima aquele formigueiro do desejo preste a saciar-se mas ao mesmo tempo tão confortável por ser o efeito secundário de alguém que me vê como eu sou.



[Foto © Daniel Oliveira, 2008, Cdás-te-me ]

0 comentários: