Lacuna


Mais que borboletas na barriga era um frenesi que me percorria toda como se o desejo substituísse a corrente sanguínea de cada vez que arranjávamos tempo para desentorpecer os músculos. Tão espontâneo e natural como adormecer atracava ambas as mãos no seu pescoço não fosse falhar o afogamento mútuo de línguas na boca e quando a sua mão se fincava no meu pescoço arrepiavam-se-me todos os pelinhos como a uma gata ronronante. Rapidamente passava ao furor de lhe percorrer cada bocadinho de pele em beijos húmidos, do pescoço ao umbigo para depois deslizar em linha recta espreitando-lhe os olhos de baixo para cima antes de lhe tragar o tortulho acabadinho de despontar.

Dessa vez quando em acto contínuo ele passou a espanejar as minhas zonas húmidas temi que a força das ondas lhe atingisse o nariz como o mexilhão bate na rocha de acordo com a crescente cheia que sentia mas com toda a calma ele acabou por se estender por cima de mim a alimentar-me com um beijo rechonchudo enquanto lançava âncora por dentro de mim. Abri espaço cruzando as pernas por cima do seu sacro naquela mornidão sacolejante como um comboio nas linhas e às tantas soou um pfffffff oriundo do orifício não ocupado.

Parámos momentaneamente para rir da falha humana que facilita tal descontracção do corpo e prosseguimos a viagem trocando de lugares para evitar a monotonia.


[Imagem gentilmente enviada por email]

0 comentários: