Primata com mamas


Até os seus olhos batiam palminhas face a face com a púbis isenta de qualquer pelame como um rabinho de bebé. Mais a mais que era a aplicação prática da sua estética e ele próprio também cumprira com a aparadela a pente um da cabeleira do seu zézinho.

A sua energia quase por estrear trocava-me as voltas em todas as acrobacias que se lembrava de experimentar no chão, na cama, ou de encontro à cómoda aproveitando o espelho de ladecos para visualizar a entrada do seu galifão tal como via nos filmes. E nessa pressa de aplicar todas as receitas do surf carnal de bem cavalgar toda a onda eu rejubilava por não ter perdido o fôlego e bendizia os meus pais que me obrigaram a fazer ginástica desde pequenina.

Nas notas de rodapé de cigarro concordei que o tal aveludado do Monte de Vénus e arredores potenciava o desejo por se sentir mais a carninha sem nada de permeio. Conscientemente omiti que essa minha prática corrente também derivava do facto do espelho não me devolver cabelos brancos no couro cabeludo mas plantá-los como diabretes a fazerem-me caretas ali em pleno campo de batalha.

E primitiva como sou fiquei como qualquer primata a rir-me de olhos postos na morte.

0 comentários: