Parte-se-me o coração


Parte-se-me o coração de o ver ali estatelado no sofá cansado do trabalho que já não pode com uma gata pelo rabo com uns olhos meiguinhos a fazer vaivém entre o seu zézinho e a minha face que uma mulher não é de ferro.

E fui buscar a caixa dos kleenex macios mesmo perante o seu olhar de reprovação e pousei-a à beirinha do sofá. Com os joelhos flectidos sentei-me sobre as suas ancas e atirei com a t-shirt de alcinhas para rapidamente alternar os meus mamilos na sua boquinha em busca da sua linguita molhada e do seu sugador instinto primário. Desapertei-lhe a camisa e espreguicei os meus braços no seu peito enquanto andava para trás como o caranguejo para fazer o bonitinho de meter os dentes na fivela do cinto que dá sempre o ar de animal selvagem a querer devorar a presa mesmo que depois tenha sido à mão que o desapertei e lhe abri a braguilha para com ambas as mãos lhe pegar o músculo ainda amolecido e o lamber de cima abaixo e às voltas enquanto ora esticava os dedos pelo meio das suas bolinhas esponjosas ora as amassava até a consistência permitir degluti-lo centímetro a centímetro de forma cada vez mais enérgica.

Partiu-se-lhe o coração de eu ter terminado a limpar afincadamente a boca mas estou tão satisfeita comigo porque nesta época crítica de dietas não posso engolir nem mais um grama para não estragar a figura a exibir na praia e assim como nos anúncios de iogurte empenho-me nas calorias pelo zero, o sabor por inteiro.


[Imagem gentilmente enviada por Cap]

10 comentários: