Ora foda-se que já passaram 6 dias

que o José Quintas fechou o seu Branco Sujo e continuo a sentir aquela comichão que a falta de alguns produtos provoca. Até me passou ao lado a partida de outro pop. À laia de epitáfio e já que hoje até é a data de morte de Sophia de Mello Breyner Andresen, dedico ao autor do blogue falecido algo que a poeta escreveu em 1965:

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.
Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.


[Foto © Alexander Kharlamov, 2008, Asylum for souls]

6 comentários:

josé quintas disse...

foda-se digo eu de estupefacção (antes eu fosse exactamente assim, como a Sofia com ph descreveu, creio, o "seu homem", Francisco Sousa Tavares).

os 6 dias são p/multiplicar por 666. ao fim de em 4 anos e tal disto, cansei-me. resta-me agradecer o "berço", pois foi aqui que me acolheram de início como comentador, e toda a "consultoria técnica" dos primeiros anos.

sabendo ambos que quem te lê não são exactamente os mesmos que gostaram de me ler (este post, num só dia, levou daqui ao meu ex-sítio mais pessoas que o link da barra lateral nos últimos meses), espero que uma certa cumplicidade que se foi criando neste anos não se perca.
haja quem continue com esta coisa dos blogues.

disse...

"sabendo ambos que quem te lê não são exactamente os mesmos que gostaram de me ler ", isso julgas tu!

não te afastes para muito longe JQ

um abraço

maria_arvore disse...

ó josé,
não vale a pena agradeceres nadica de nadica que eu só faço aquilo a que não sou obrigada.

Apenas vais deixar no inferno da memória aqueles que como eu te lêem. A começar por apenas mais um, o Zé, que em boa hora veio aqui comentar para provar o que eu pensava.

Descansa disto o que precisares, sem preocupações porque acredito que a cumplicidade é como andar de bicicleta...

maria_arvore disse...

Ai Zé,
muito obrigada por me leres os pensamentos porque foi mesmo em ti que pensei quando li o parágrafo que referes.

Com uma pontinha de ironia já nem sei se é nostalgia ou se estou a envelhecer.

murraça, Manel disse...

abraço, Zé
beijo, Maria

maria_arvore disse...

Toma lá um beijo. Ou melhor... como já são 23:19 toma dois.