Negras da praxe



A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e meias

Assustam-me os bandos de raparigas de negro que nos últimos dias enxameiam Lisboa. Só me trazem à ideia os rituais ciganos da viuvez ou daquelas avozinhas já muito velhinhas de uma qualquer aldeia perdida na Beiras que perderam o marido há 400 anos, todas de semblante carregado.

Assustam-me e não é por se vestirem de negro que também o fiz nos anos 80 mas por se vestirem de igual, incluindo aquele instrumento de tortura que apelidam de gravata, ao ponto de usarem uns horríveis sapatos sem nada que os distinga a não ser o mau gosto. E aquelas meias de mousse ou de lycra apesar do calor que está apenas porque faz parte da farda.

Como se entrar na Universidade não fosse para usar a cabeça mas para seguir ordens, tal e qual como se pede aos instruendos militares, como se não fosse para produzir conteúdos mas apenas para projectar uma imagem austera de integração no Sagrado Mistério das Escravas de Qualquer Poder Instituído.

0 comentários: