Chamem a Antónia!

(imagem daqui)

Antónia Gertrudes Pusich (1805- 1883) que nasceu em Cabo Verde, na ilha de S. Nicolau, foi a primeira mulher a viver da literatura e do jornalismo em Portugal, felizmente numa época em que não havia televisão ou ainda levava roda de andar a comer o rei de então que por acaso no auge da sua carreira era D. Maria II.

Antónia ergueu 3 casamentos e 11 filhos e também foram 3 as revistas que fundou e dirigiu ostentando o seu nome na ficha técnica sem se esconder sob um pseudónimo masculino. Primeiro foi a «Assembleia Literária- Jornal de Instrução » (1849) onde ao invés de publicar modas e bordados defendeu a necessidade de instrução das meninas e publicou variedades literárias, como as primeiras poesias de Júlio César Machado. Depois, como era presidente da Associação Consoladora dos Aflitos também dirigiu o órgão da mesma, a «A Beneficência» (1852) e finalmente, a «A Cruzada – Jornal Religioso e Literário» (1858).

E como morava em Lisboa no nº 265 da Rua de S. Bento ainda arranjava Antónia tempo para ser uma frequentadora assídua da galeria das senhoras na câmara dos deputados.

Comentários

Mensagens populares